domingo, 6 de dezembro de 2009

Hoje você me manda essa foto de Paris, mas não sabe como me custou andar essas ruas com o mesmo tênis.
Tudo se sujava de branco. Nada era vermelho ou verde o suficiente. Carvalhos e pisos molhados e corvos gigantes pelo caminho.
Acordar cedo sozinha sem palavra, como eu faço aqui hoje e ninguém entende. Não sabe o quanto me dói sentir o mesmo cheiro no corredor. O ranger de tábuas sob os pés. Tudo parece uma lamúria só, mas tudo é um fio, uma corda fina que se estende até o finalzinho do poço de onde não se escuta nem um cair de pedra.
Se alguém me visse em 2002, eu perguntaria, sou a mesma pessoa? A menina que não quis chorar na rodoviária... e que, em 05 de outubro, testemunhou sozinha pessoas que comemoravam não-sei-o-quê em Hamburg de madrugada, gritando “I’ve had the time of my life...”
Ninguém nunca vai saber. E por mais que hoje exista aqui um blog, nada vai ser suficiente pra descrever meus banhos agachados na banheira, em silêncio pra não acordar ninguém. Ninguém vai saber se era fome o que eu sentia, se eu pegava os caminhos errados de propósito, quem era Jörgen, Erendira, qual a largura da Leopold Strasse no verão, gosto de baunilha escondido, ninguém vai saber o que pensei/senti sozinha naquele quarto, tentando ler a aventura pelo inverno do Canadá, meus momentos de ir pra cama cedo, de sentir vergonha, de não saber como se dizia vermelho.
Quando peço toda essa presença é pra tentar respeitar o que me prometi: nunca mais vou ficar sozinha... E tudo fica ao contrário. Quem mais quer menos tem.
“can you take it all away?”

4 comentários:

kassiaindia disse...

Eu sei.
Nos sabemos.
Cade minha mãe,
cade meus filhos,
cade meu marido.
Sozinha num fiesta verde dirigindo nas madrugadas de minas pra goias ou de goias pra minas.
No frio, na neve, na solidão.
As lagrimas caindo num banheiro verde ou em cima do rochedo em les bouchoux. Ninguem nunca quis saber o que sentiamos. As ruas eram longas com meu all star azul.

Rose Dayanne disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rose Dayanne disse...

Tive a mesma sensação do dia da "menina no banheiro", de uma outra postagem!

"You still have the best of life again"

Sonia Lima Naves disse...

Maíra:

Everything is going to be ok...
Believe in it. You won´t be alone again. You have a lot of people who love you so much. I am one of them!!!

Kisses

Tia Sônia