terça-feira, 16 de novembro de 2010

Iramar... tem 29 anos que você tomou o lugar e o peito...
29 anos que deixei de ser filha única, mesmo antes de aprender a ser...
ficou com meu berço, meu penduricalho de libélula - consoante proparoxítona... e já veio como irmão, menino que chora na fotografia, deixando todo mundo ser.
debaixo do cavalo ou da árvore, você aponta o dedo... tanto o que mostrar... eu sempre te ensinei tudo, na cara-de-pau... vísceras num dicionário ilustrado de inglês, banho de verniz.
mas seus desenhos sempre foram mais bonitos. você inventava todos os desenhos. você era quem conseguia inventar...

(parece que não acabou aqui... mas nunca vai acabar...)

2 comentários:

Sonia Lima Naves disse...

Isso que é ammmmmooooooorrrrr!

kassiaindia disse...

Nunca acaba, sempre fica faltando mais...............